Ferramentas do usuário

Ferramentas do site


Barra lateral

CMQ
Centro de Métodos Quantitativos


USP ESALQ
Depto. de Ciências Florestais
ESALQ
UNIVERSIDADE de SÃO PAULO
Av. Pádua Dias, 11
Caixa Postal 09
13418-900 - Piracicaba - SP
BRASIL
publico:syllabvs:lcf0130:2009:equipes:equipe-05:inicio
 CMQ: Centro de Métodos Quantitativos Centro de Métodos Quantitativos
Departamento de Ciências Florestais
Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO


LCF-130 Resolução de Problemas Florestais - 2009


Equipe 5: APP/RL e Gestão Ambiental



Quem Somos?

Nome Email
Guilherme Rodrigues de Pontes guilherme.pontes@gmail.com
Luana Trevine Momentel lu_trevine@hotmail.com
Maurício Vulcano mauricio.vulcano@usp.br
Renato Meirelles de Siqueira renatomeirelles@gmail.com
Susane Rasera susane.rasera@usp.br

Questão: Como o gerenciamento ambiental do campus “Luiz de Queiroz” trata os problemas de APP/RL?

Orientadora: Ana Meira - Engenheira Florestal

Trabalho 1: Desenvolvimento do Sub-Tema

Introdução

A fazenda São João da Montanha, doada por Luiz de Queiroz para a implantação de uma escola agrícola, tornou-se um dos principais centros de aprendizagem e desenvolvimento da agricultura no Brasil; no entanto, com os estudos realizados ao longo dos anos, verificou-se que, apesar de grandes avanços na produtividade agrícola, diversos problemas ambientais foram surgindo, levando a degradação de grande parte da mata nativa da fazenda. Em 1965, foram definidas por lei as áreas de APP e RL. Na última década, verificou-se que diversas áreas da ESALQ não se encontravam nas conformidades judiciais impostas. Assim sendo, um grupo de alunos e funcionários se mobilizou na tentativa de adequar essas áreas. Porém, devido a problemas de organização, ainda não foi possível implantar um gerenciamento ambiental completo. Deste modo, a fim de amenizar os problemas mais graves, esse grupo prioriza o enfrentamento dos impactos ambientais já desenvolvidos, enquanto o plano diretor, que propõe diretrizes para a Gestão Ambiental do Campus e é um instrumento para a criação de uma política ambiental, ainda não é concluído.

O que é Gestão Ambiental?

Gestão Ambiental é o planejamento, direção, controle de recursos e outras atividades administrativas, operacionais e legais que tem como objetivo reduzir ou eliminar danos causados pelas ações humanas no meio ambiente.


O que é Gerenciamento Ambiental?

São as técnicas que visam a regulamentação, proteção e conservação do meio ambiente e também a avaliação da conformidade da área de acordo com as normas da política ambiental.


Como iniciou o serviço de Gerenciamento Ambiental de APP e RL no Campus?

Após exigências do Ministério Público Estadual através do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), que exige ações com objetivo de recuperar áreas degradadas no interior do Campus, alguns alunos e docentes, por iniciativa própria, passaram a implantar o Plano Diretor Socioambiental Participativo na tentativa de criar uma política ambiental para o mesmo.


O que foi feito após as exigências do Ministério Público Estadual?

Inicialmente, a diretoria do Campus terceirizou o serviço para a SOS Mata Atlântica, sendo esta responsável pela recuperação das áreas de APP e RL degradadas no interior do Campus. Alguns alunos, ao saberem da decisão da diretoria, propuseram a formação de um grupo responsável pela recuperação de parte da área degradada, que inicialmente deveria ser toda gerenciada pela SOS Mata Atlântica. Com isso, criou-se o GADE - Grupo de Adequação Ambiental do Campus Luiz de Queiroz.

Mapas de recuperação e delimitação de APP (2006/2007)
mapa_responsaveis.pdf
mapa_cronologia.pdf
mapa_delimitacao.pdf


GADE

Os Gadeanos se dividem em duplas ou trios para o planejamento de recuperação das áreas degradadas. Cada um desses grupos é responsável por uma determinada área, e cada integrante tem a oportunidade de propor um método de recuperação. Alguns dos projetos desenvolvidos por esse grupo são:

ADUBO VERDE: uso de adubo nas entrelinhas, visando a redução de custos na implantação de APP;

JORNAL SOCIOAMBIENTAL DO CAMPUS “LUIZ DE QUEIROZ”: estimular a discussão e práticas da atuação do Plano Diretor Socioambiental Participativo do campus “Luiz de Queiroz” e o Plano de Adequação Ambiental do campus “Luiz de Queiroz”, no desenvolvimento socioambiental, bem como debater a questão da sustentabilidade e dos impactos ambientais que atingem a comunidade;

SENSIBILIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE PRODUTOS RURAIS: elaboração de uma cartilha em linguagem simples para que os pequenos produtores rurais compreendam efetivamente a importância do processo de gerenciamento e proteção dos recursos hídricos;

EDUCAÇÃO AMBIENTAL DOS FUNCIONÁRIOS: a educação ambiental dos trabalhadores envolvidos com a recuperação de APPs (Áreas de Preservação Permanente) é de suma importância no sentido de discutir, trocar e difundir idéias sobre como promover a recuperação de APPs e a importância dessa atividade para a busca de uma melhor qualidade de vida para a comunidade local.

PROJETO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS ATRAVÉS DA IMPLANTAÇÃO DE POLEIROS ARTIFICIAIS: são poleiros feitos de bambu , que atrairão a fauna à área degradada e, conseqüentemente, dispersará sementes;

PROJETO RECUPERAÇÃO, PRESERVAÇÃO E MONITORIAMENTO DE NASCENTES DO CAMPUS DA ESALQ: busca a preservação de nascentes e recuperação de áreas degradadas no entorno das nascentes, restabelecendo a cobertura vegetal na Área de Preservação Permanente, através de plantios florestais;

PROJETO PEQUENO CIDADÃO: tem por objetivo despertar a consciência de crianças entre 11 e 13 anos de idade sobre a importância da preservação e recuperação de florestas;

PROJETO MANUTENÇÃO: implantação do Programa de Adequação Ambiental do Campus “Luiz de Queiróz”;

PROJETO PLANO DE MONITORAMENTO DAS ÁRAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO CAMPUS “LUIZ DE QUEIROZ”: tem por finalidade realizar a amostragem eficiente das áreas em processo de recuperação além do levantamento de dados que possibilitem a análise quantitativa e qualitativa do desenvolvimento das florestas implantadas;

CONTROLE DE LEUCENAS: tem como objetivo controlar a rebrota, a germinação do banco de sementes e o desenvolvimento de plântulas de leucena, após o corte dos indivíduos arbóreos de leucena.

Além desses projetos, o GADE é responsável pela recuperação das seguintes áreas:

PALMEIRAS: área com barrancos e com leucenas e capim nas margens do rio. Além disso, o solo está ligeiramente compactado. Os possíveis fatores de degradação da área foram o desmatamento e a posterior utilização da área para outros fins como pastagem e plantio de palmeiras

“TOCA DO CASTOR”: recuperação dos solos altamente erodidos, utilizando técnicas alternativas e de baixo custo, e mais do que isso, o uso de tecnologia limpa.

PEDREIRA: áreas de restauração de APP;

AEROPORTO: áreas de restauração de APP;

SAF: O Sistema Agro-Florestal consiste no plantio de diversas culturas nas entrelinhas.


SOS MATA ATLÂNTICA A SOS Mata Atlântica passa a ser responsável pelas diversas etapas do reflorestamento, que envolve da implantação e manutenção do projeto, à escolha das áreas, seleção e aquisição de mudas em viveiros, plantio e vistorias constantes para intervenções que se façam necessárias. Em Piracicaba, a SOS Mata Atlântica conta com o apoio de outras empresas, como o Bradesco e EPR Soluções Ambientais, para intervenção estratégica no Campus da ESALQ com 60 mil mudas (Projeto Florestas do Futuro).


Quais as principais dificuldades encontradas durante a adequação das áreas de APP e RL?

Entre as principais, podem ser consideradas:

  • Falta de orientação técnica em relação ao GADE, por ser formado somente por alunos que buscam experiência profissional, sem nenhum docente responsável pelo grupo.
  • Instabilidade na formação do grupo, devido à constante troca de membros participantes.
  • Falta de política ambiental interna, que defina padrões para utilização das áreas, que pela legislação devem fazer parte de APP e RL.
  • Pragas que surgem após a recuperação de áreas degradadas.
  • Invasões de gado nas áreas de APP.


O que pode ser feito para melhorar a Gestão Ambiental dentro do Campus?

Como a discordância entre os departamentos é um dos principais problemas encontrados, a implantação de uma política ambiental deve ser considerada uma das principais prioridades. Atualmente, a Gestão Ambiental do Campus conta com o desenvolvimento do Plano Diretor que, programado para estar pronto até o final desse primeiro semestre de 2009, deverá empregar a política ambiental já citada, com o apoio da reitoria.
Além disso, a obtenção de certificados de normas internacionais, como a ISO 14001 (que exige o cumprimento de 17 requisitos normativos que devem ser estruturados de forma a se estabelecer um sistema de melhoria contínua), poderia ser uma das alternativas.
Outra hipótese a ser considerada é a idéia de “Campus verde”, que é uma iniciativa de estudantes, professores e empregados da universidade que se esforçam para criar consciência sobre a importância de viver em harmonia com o meio ambiente de uma maneira saudável e responsável. No Campus verde são implementados medidas e projetos que vão desde a sombra das árvores e desenvolvimento de programas de reciclagem até o treinamento da comunidade universitária. Atualmente, 388 universidades do mundo todo (incluindo 52 universidades brasileiras) já se comprometeram com a participação na Declaração de Talloires (de 1991) à tomar medidas para diminuir o impacto causado e criar uma consciência ambiental na comunidade universitária.
Juntamente com a idéia de “Campus Verde”, poderiam existir programas de conscientização sobre a importância da preservação e uso sustentável de recursos naturais, tanto dentro da universidade quanto entre os moradores da cidade em que esta se encontra. Uma outra proposta seria a implantação do “Pacto 21- Universitário”, que estabelece uma aliança de cooperação entre instituições de ensino superior, para implantar ações e projetos ligados ao Fórum Permanente da Agenda 21. Atualmente, o “Pacto 21” só está em vigor no Estado do Paraná [Universidade Positivo (Unicenp), Faculdade Evangélica do Paraná, Faculdade Dom Bosco, Instituto de Ensino Superior Camões, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), Universidade Tuiuti do Paraná (UTP), Universidade Estadual de Maringá (UEM), Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Universidade do Centro-Oeste (Unicentro), Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP), Universidade Estadual do Oeste (Unioeste), Universidade Estadual de Londrina (UEL) e Universidade Federal do Paraná (UFPR)], mas a iniciativa já serve de exemplo a outros Estados e em breve poderá ser difundida oficialmente em todo o país.
A criação de uma divisão responsável pelo meio ambiente é a atitude que geraria melhorias mais significativas para os problemas encontrados atualmente. As principais vantagens que podem ser citadas são:

  • Orçamento fornecido pela universidade, possibilitando previsão de gastos e evitando que serviços não sejam realizados por falta de recursos financeiros;
  • Estágios administrados e orientados pela própria divisão, propiciando um maior número de participantes e uma formação mais contínua e comprometida;
  • Amenização dos conflitos entre os departamentos;
  • Organização mantida por um padrão definido por um gestor ambiental contratado para atuação apenas dentro da universidade;
  • Diminuição de contratação de serviços por empresas terceirizadas;
  • Responsabilização por metas a serem cumpridas e adoção das demais sugestões supracitadas, com o objetivo de aprimorar os resultados obtidos com serviços já realizados.


Um procedimento semelhante adotado pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos – RS, pode ser citado como exemplo de prática bem sucedida; com a criação de um setor responsável pelo meio ambiente, o SGA, a primeira conquista da certificação ISO 14001 por uma universidade da América Latina foi realizada.

Apesar das várias vantagens observadas, uma desvantagem a ser considerada é o aumento da burocracia para resolução dos problemas. Segundo o coordenador do Campus Luiz de Queiroz, Professor Dr. Wilson Mattos, os atuais procedimentos executados sem a iniciação de uma divisão responsável já passa por diversas etapas burocráticas que geram atrasos significativos para a concretização de resultados, e a sua criação poderia aumentar os empecilhos e o tempo gasto para conclusão dos projetos. No entanto, a quantidade de dificuldades encontradas pelo atual sistema de gestão que seriam minimizadas justifica a implantação da divisão responsável pelo meio ambiente no campus.



Plano Diretor Socioambiental Participativo

As primeiras iniciativas para criação do Plano Diretor Socioambiental começaram em 2003 após o Seminário de Resíduos no campus. Essas iniciativas partiram de vários grupos ambientais (como GADE, GFMO, USP Recicla, SAF e outros) formados por funcionários, docentes e alunos que, diante dos problemas ambientais do campus e, de modo geral, de muitas outras instituições que, até então, não se preocuparam com os impactos de suas ações sobre o meio ambiente, resolveram articular e formalizar as idéias para um plano de ações na tentativa de reverter esse quadro. Esses grupos formaram, em 2004, a UGA - União dos Grupos Ambientais do Campus e, desde então, vêm fazendo reuniões e organizando fóruns de discussão (Semana do Meio Ambiente do Campus e Semana Socioambiental) com o objetivo de divulgar essas idéias e difundir conhecimentos sobre Educação Ambiental para alunos, funcionários, docentes e a população em geral.
Optou-se por um Plano Participativo com o objetivo de integrar todos os envolvidos e facilitar a troca de informações, o que facilitaria as ações em grupo de toda comunidade do Campus. O Plano Diretor tem o propósito de traçar diretrizes para ações socioambientais no Campus e firmar o compromisso institucional para o enfrentamento destes problemas. Para isso, a elaboração do plano foi aprovada pela Congregação em outubro de 2005, bem como a formação de um Núcleo Gestor para articular a elaboração do mesmo. A partir disso, todos os docentes, funcionários, estudantes e grupos de ação ambiental do campus foram convidados, via cartas, cartazes, e-mail da assessoria de comunicação e murais, a participar de reuniões para compor os grupos de trabalho priorizados pelo Núcleo Gestor.
O Plano Diretor pode ser dividido em 4 etapas: Diagnóstico Ambiental Participativo, Levantamento de Prioridades, Formas de Regulamentação e Estratégias de Ação e O Sistema de Gestão do Plano Diretor Socioambiental.
A primeira etapa foi o diagnóstico ambiental do campus feita pela UGA e dividida pelo Núcleo Gestor do Plano em 7 grupos de trabalho (GT's). Cada grupo ficou responsável pelo diagnóstico específico de uma área. Os GT's são: GT Uso do Solo, GT Resíduos, GT Percepção e Educação Ambiental, GT Normatização e Certificação Ambiental, GT Emissão de Carbono, GT Fauna e GT Água. Essa etapa foi concluída em setembro de 2006.
A segunda etapa foi elaborada a partir dos resultados obtidos na primeira com o objetivo de divulgar e ordenar as diretrizes que regerão a política socioambiental do campus. Este trabalho foi elaborado em conjunto com todos os GT's que criaram 28 diretrizes que definem linhas de ação socioambiental e um fluxograma integrando todas essas ações para facilitar a resolução destas.
A terceira e quarta etapas do plano já foram definidas e deverão ser normatizadas até o fim do primeiro semestre de 2009.

Para a implementação do Plano Diretor, o Conselho Gestor do Campus(CG) irá criar e estruturar, junto ao seu organograma, uma Comissão Assessora de Meio Ambiente, que será responsável por gerir e deliberar sobre as demandas socioambientais do Campus, além de definir prioridades através das quais serão executados os projetos advindos das diretrizes apontadas neste Plano. É encargo deste Conselho compor um grupo de trabalho que preparará o estatuto de funcionamento e composição da Comissão Assessora do Meio Ambiente. A implementação desta Comissão permeará todas as Unidades do Campus através de seus representantes, que serão funcionários docentes e não docentes, discentes da graduação e pós-graduação. A intenção é democratizar os espaços de discussão e ramificar as decisões para as diferentes esferas que compõem o Campus.
O Plano será implementado e executado, inicialmente, com recursos orçamentários das próprias unidades do Campus e de financiamentos externos através de projetos e parcerias com instituições públicas, privadas e não-governamentais.
O gerenciamento do Plano Diretor deverá contar com uma estrutura física própria para a realização de suas atividades, além da necessidade da contratação de um Gestor Ambiental, que será importante para o gerenciamento de todas as demandas e necessidades socioambientais do Campus, além de articular e encaminhar à Comissão Assessora de Meio Ambiente os diferentes processos ligados a essa temática. Este profissional contratado executará, também, ações e projetos referentes às diretrizes estabelecidas neste Plano Diretor deliberados pela Comissão Assessora de Meio Ambiente. Esta estrutura gerencial deverá contar também com o apoio de uma secretária, responsável pela administração e organização desta estrutura. Deseja-se, também, a contratação de estagiários para o apoio das atividades gerenciais.

Link para o Plano Diretor Socioambiental:
plano_socio_ambiental_etapa1.pdf
plano_socio_ambiental_etapa2.pdf



Conclusão

Apesar de apresentar cursos e programas que zelam pelo meio ambiente, a ESALQ possui diversos agravantes que a deixa fora dos padrões de um Campus ecologicamente correto. A falta de uma política ambiental gera conflitos que retardam o desenvolvimento de uma Gestão Ambiental eficaz na universidade. Além do fato de que, nessa política ambiental, dá-se a necessidade da presença de alunos, professores e funcionários atuando no auxílio das resoluções dos problemas socio-ambientais locais através de programas de ensino, pesquisa e extensão. Assim sendo, o gerenciamento ambiental não alcança um desenvolvimento pleno, atrasando a restauração de áreas de APP e RL.

Fontes:


publico/syllabvs/lcf0130/2009/equipes/equipe-05/inicio.txt · Última modificação: 2015/08/10 20:48 (edição externa)