Ferramentas do usuário

Ferramentas do site


Barra lateral

CMQ
Centro de Métodos Quantitativos


USP ESALQ
Depto. de Ciências Florestais
ESALQ
UNIVERSIDADE de SÃO PAULO
Av. Pádua Dias, 11
Caixa Postal 09
13418-900 - Piracicaba - SP
BRASIL
publico:syllabvs:lcf0130:2010:equipes:equipe-01:inicio

 CMQ: Centro de Métodos Quantitativos | Centro de Métodos Quantitativos
Departamento de Ciências Florestais
Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO |


LCF-130 Resolução de Problemas Florestais - 2009


Equipe 1:


Quem Somos?

  • Equipe 1: Biodiversidade: passado, presente, futuro
  • Questão: Como foram alteradas riqueza e composição da avifauna no campus ESALQ ao longo do tempo?
  • Orientador: Profa. Kátia Ferraz - 2105 8693 - kferraz@esalq.usp.br
  • Composição da Equipe:
Nome Área de Interesse Email Foto
Gustavo Barbosa Silvicultura Urbana gustavo.barbosa@usp.br
Beatriz Gonsalez Ecologia beatriz.gonsalez@usp.br
Felipe Saldanha Mensuração Florestal felipe.saldanha@usp.br
Isabele Goulard Tecnologia da Madeira isabele.goulard@usp.br
Isabela Guardia Sistemas Agroflorestais isabela.guardia@usp.br

Trabalho 1: Desenvolvimento do Sub-Tema

Introdução

Em áreas onde a cobertura florestal original tem sido reduzida, os remanescentes tornam-se os únicos hábitats disponíveis para as espécies nativas florestais. Tais remanescentes variam em tamanho, formato e grau de isolamento em relação a outros remanescentes e acabam contendo apenas um subconjunto alterado da comunidade original. A fragmentação de hábitats gera o declínio ou o desaparecimento de espécies que, para manter populações viáveis a longo prazo, necessitam de áreas amplas ou de um gradiente de hábitats (Antunes, 2005).
O estudo da composição e riqueza de avifauna ao longo do tempo pode fornecer importantes dados para diagnóstico de fragmentos florestais, a partir da comparação entre tais índices de estrutura de comunidades no passado e presente. Além disso, a relação entre riqueza esperada e riqueza observada, pode indicar, juntamente com dados de composição, a taxa de extinção de espécies florestais e invasão por novas espécies

Objetivos

A área de estudo é o campus Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo, localizado em Piracicaba – SP. A paisagem do campus é composta por uma matriz agrícola, circundada por área urbana, com a presença de fragmentos florestais remanescentes de Mata Atlântica.

Determinar a composição e a riqueza de espécies de aves no campus ESALQ no tempo passado (de 30 a 20 anos atrás) e presente (desde 2000). Comparar a riqueza e composição nos dois tempos e observar se essa comparação indica tendências futuras de mudança na composição da avifauna na ESALQ. Elaborar um diagnóstico dos fragmentos florestais no campus a partir dos índices de estrutura da comunidade de aves no campus.

Metodologia

A área de estudo é o campus Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo, localizado em Piracicaba – SP. A paisagem do campus é composta por uma matriz agrícola, circundada por área urbana, com a presença de fragmentos florestais remanescentes de Mata Atlântica.
A determinação da riqueza e composição da avifauna foi feita a partir de levantamentos já realizados no campus, em dois tempos: passado, de 30 a 20 anos atrás; e presente, desde o ano 2000. Os dados obtidos com os levantamentos foram cruzados com informações na literatura para a geração de planilhas de ocorrência das espécies no campus no tempo presente. Os índices de estrutura de comunidades, riqueza e composição, esperados para a área serão comparados com os índices encontrados. Os dados de composição da avifauna nos tempos passado e presente serão comparados e serão observadas as possíveis indicações tendências futuras.
Será elaborado um diagnóstico dos fragmentos florestais da ESALQ no presente, a partir dos índices de riqueza e composição da avifauna ao longo do tempo. Determinar como as mudanças nos índices da comunidade de aves indicam mudanças nos fragmentos do passado para o presente. Observar como essas mudanças podem indicar as tendências de mudanças futuras na estrutura dos fragmentos florestais da ESALQ.

Referências Bibliográficas

• Antunes, A. Z., 2005. Alterações na composição da comunidade de aves ao longo do tempo em um fragmento florestal no sudeste do Brasil. Ararajuba 13 (1): 47 – 61.
• Lopes, E. V., Anjos, L. 2006. A composição da avifauna no campus da Universidade de Londrina, norte do Paraná, Brasil. Revista Brasileira de Zoologia 23 (1): 145 – 156.
• Tabarelli, M., Pinto, M. P., Silva, J. M. C., Hirota, M. M., Bedê, L. C. 2005. Desafios e oportunidades para a conservação da biodiversidade na Mata Atlântica brasileira. Megadiversidade 1 (1): 132 – 138.
• Willis, E. O., Oniki, I., 2003. Aves do Estado de São Paulo. DIVISA, Rio Claro, Brasil. 50pp.

Trabalho 2: Relatório Final - Problema e Resolução

publico/syllabvs/lcf0130/2010/equipes/equipe-01/inicio.txt · Última modificação: 2015/08/10 20:48 (edição externa)