Ferramentas do usuário

Ferramentas do site


Barra lateral

CMQ
Centro de Métodos Quantitativos


USP ESALQ
Depto. de Ciências Florestais
ESALQ
UNIVERSIDADE de SÃO PAULO
Av. Pádua Dias, 11
Caixa Postal 09
13418-900 - Piracicaba - SP
BRASIL
publico:syllabvs:lcf0130:2011:2011:equipe-05:inicio
 CMQ: Centro de Métodos Quantitativos Centro de Métodos Quantitativos
Departamento de Ciências Florestais
Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

LCF-130 Resolução de Problemas Florestais

Tema 5

Inventário de Carbono no Campus “Luiz de Queiroz” (USP Piracicaba)

Professor orientador: Hilton Thadeu Couto

Questões: Qual é o carbono imobilizado nas formações florestais do Campus “Luiz de Queiroz”? O crescimento dessas florestas compensa o carbono emitido pelas atividades do campus?

Equipe Exemplo: Quem Somos?

Nome Área de Interesse Email Foto
Jéssica Thaís de Lira Bazzetto Silvicultura de espécies nativas jessica.bazzetto@usp.br
Tainã Scarano Recuperação de Florestas nativas taina.scarano@usp.br
Laura Helena Porcari Simões laura.simoes@usp.br

Trabalho 1: Ensaio Conceitual sobre o Tema

Introdução

Parte do carbono emitido pelas atividades humanas como a utilização de automóveis, consumo de energia elétrica, produção de gado (liberação na forma de CH4), decomposição de lixo domestico entre outras, é capturado pelas plantas e armazenado em sua estrutura.

Essa captura de carbono acontece através da fotossíntese quando as plantas absorvem energia solar e CO2 da atmosfera para a produção de oxigênio e glicose, que servem de base para seu crescimento. Através desse processo as plantas fixam o carbono na biomassa da vegetação, e constituem, junto com seus resíduos (madeira morta e serrapilheira) um estoque natural de carbono.

O estudo comparativo de uma região entre a capacidade de fixação de carbono pela vegetação local e a quantidade emitida do mesmo pelas atividades humanas é importante para que se façam melhorias, visando um ciclo auto-sustentável. Objetivos

O estudo será realizado no Campus da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz – USP, localizada na cidade de Piracicaba-SP. Sua área total é de 874,33ha e possui em sua composição fragmentos de florestas nativas de Mata Atlântica, pastos e uma porcentagem urbana.

Calcular, através de um inventário florestal na área do Campus, a biomassa e o volume de carbono fixado pela vegetação em 2010. Coletar dados, referente ao mesmo ano, que permitam determinar a quantidade de carbono emitida pelo Campus, como contas de energia elétrica, gastos com combustíveis, número de gado, e assim elaborar um diagnóstico comparativo dos valores obtidos.

Metodologia

Para calcular a quantidade de carbono emitido pelo campus utilizamos a quantidade de energia elétrica e os gastos com combustíveis no ano de 2010. Na tabela, segue os valores:

Emissão de carbono no Campus Luiz de Queiroz

Com isso tem-se a quantidade de CO2 emitida pelo campus em 2010.

Emissão total de CO2 em 2010 = 7121,16 t

As emissões de CO2 podem ser calculadas de acordo com a expressão abaixo, lembrando que em função dos respectivos pesos moleculares, 44 t CO2 corresponde a - 12 t de C.

-1t CO2 = 0,2727 t C. -ECO2 = EC x 44/12 onde, - ECO2 = emissão de CO2; - EC = emissão de C.

Emissão de Carbono no Campus = 1941,94t

Para saber quanto de CO2 foi sequestrado faz-se a quantificação de biomassa no povoamento vegetal do campus medindo-se a DAP das arvores: Definir a área de amostragem representativa da vegetação realizando uma pré-seleção das árvores a terem sua biomassa medida, priorizando-se as espécies com maior frequência e DAP. Dessa forma procura-se amostrar os indivíduos que tenham maior relevância ao valor da BVAS (biomassa viva acima do solo) total da floresta. O estudo será feito nas áreas de fragmentos naturais do Campus. Para a medição das árvores, utilizando o DAP (diâmetro acima do peito) e assim obter a biomassa de acordo com a seguinte fórmula:

B = exp [2,134 + 2,530 ln(DAP)]

Onde:

B – biomassa aérea estimada em kg;

DAP – diâmetro a altura do peito em cm;

ln – logaritmo na base natural (logaritmo neperiano)

Referências Bibliográficas

Rügnitz, M. T.; Chacón, M. L.; Porro R. Guia para Determinação de Carbono em Pequenas Propriedades Rurais – 1. ed. – Belém, Brasil.: Centro Mundial Agrofl orestal (ICRAF) / Consórcio Iniciativa Amazônica (IA). 2009. 81 p http://www.florestasdofuturo.org.br/paginas/?pg=mud_glob_metodo COUTO, H.T.Z.,2009. Estimativa da Biomassa e Carbono em Áreas Restauradas com Plantio de Essências Nativas. Disponível em: http://cmq.esalq.usp.br/wiki/lib/exe/fetch.php?media=publico:metrvm:metrvm-2009-n05.pdf

Trabalho 2: Relatório Final - Problema e Resolução

publico/syllabvs/lcf0130/2011/2011/equipe-05/inicio.txt · Última modificação: 2015/08/10 20:48 (edição externa)