Ferramentas do usuário

Ferramentas do site


Barra lateral

CMQ
Centro de Métodos Quantitativos


USP ESALQ
Depto. de Ciências Florestais
ESALQ
UNIVERSIDADE de SÃO PAULO
Av. Pádua Dias, 11
Caixa Postal 09
13418-900 - Piracicaba - SP
BRASIL
publico:syllabvs:lcf5875:2010:resenha-aula-3


Centro de Métodos Quantitativos

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”
Departamento de Ciências Florestais

LCF 5875 Oficina de Ensino Superior

Resenha da Aula 3: 23/04/2010

GRUPO

  • Andréia Q. de Luca
  • Cintia G. Rissato
  • Nei K. Leite
  • Samíramis A. Biasoli
  • Vivian Battaini

AULA 3 – Metodologia do Ensino Superior

A aula iniciou com a resenha do grupo 2 que apresentou na forma de um “texto realista, entretanto bem poético” (Claúdia).

Relataram o possível incomodo de ter que apresentar a resenha após o grupo 1 que foi super artístico e poder ser comparado, mas logo afirmaram que não se trata de uma competição. Eles enfatizaram a aplicação da utopia no Ensino Superior e o papel da Universidade na sociedade, relacionando com as atividades desenvolvidas com a prof. Antônia.

Após a resenha, os grupos de trabalho se reuniram para a discussão dos textos lidos motivados pelas questões:

  • Como as reflexões de Masetto se relacionam com as leituras anteriores da disciplina?
  • Como um Plano de Ensino pode refletir o debate do paradigma curricular?
  • Que caminhos tomar para construir processos formativos compatíveis com a utopia do grupo?

Após reunião em grupo fizemos o lanche. 

Todos os grupos apresentaram suas discussões destacando:

1. Os textos se interelacionam, pois propõe uma mudança de sociedade, educação e indivíduos que deve ser levada à pratica podendo esta acontecer através do enfrentamento do paradigma curricular;

2. O plano de ensino pode refletir o paradigma curricular sendo o instrumento da instituição e/ou do professor de criar possibilidade que enfrentem este paradigma;

3. Para tomar caminhos formativos compatíveis com a utopia do grupo destacou-se o fato de estarmos refletindo sobre o assunto, gerarmos processos de auto-reflexão enquanto estamos atuando, assumir-se como professor, se comprometer com o Ensino; criar confiança para mostrar-se como pessoas; e se respeitar, criando seus limites e sua própria forma de atuar, não copiando modelos que julgue bem sucedidos.

Dentre as várias idéias lançadas, destacam-se:

  • O fato da interdisciplinaridade ser um desafio e não uma receita de bolo;
  • O saber vem do sabor, logo devemos saboreá-lo, ter tesão pelo que se faz;
  • O ensinar não depende só dos docentes, mas dos alunos também;

Baseado na apresentação dos grupos os professores levantaram as seguintes questões:

1) Se a transformação deve ocorrer no individual ou no coletivo? Depois de muita discussão o Marcos afirmou que “Minha modificação ocorre no mundo” e que este deve ser um desafio compartilhado, caminhando com os dois pés juntos. Um dando o testemunho, criando modelos (no plano individual) e o outro na Política Pública (no plano coletivo).

2) Outra questão levantada é se existiriam disciplinas obrigatórias se criássemos um curso? Colocou-se em pauta a possibilidade do aluno escolher as disciplinas de acordo com sua realidade (ou seja, ter a opção de escolher o que acha ser essencial para sua formação), onde os professores forneceriam um cardápio de disciplinas. No entanto, várias dúvidas surgiram como: 1) Será que o jovem teria condições de escolher?; 2) Como a instituição poderia se preparar para ofertar este cardápio?; 3) E os pré-requisitos essenciais?

Houve um consenso, de que para efetuar tal mudança, seria necessário repensar o papel do professor (mais como um tutor) e do aluno (mais autônomo)

Com relação a imaturidade do aluno para escolher diante o cardápio, chegou-se a conclusão de que “a pessoa só se torna madura quando se depara com o fato de tomar decisões e se responsabilizar por elas”

3) Quantos docentes conhecemos que não criticam o status quo. Porque ele não muda então?

Outra discussão significativa foi com relação a maturidade das pessoas: A discussão foi densa e enriquecedora, alguns do grupo afirmaram ter ficado incomodados durante o almoço e o resto do dia. O grupo acredita que o incômodo e as possíveis transformações que decorrem dele são significativas para o aprendizado de cada um, apontando que o curso está gerando resultados positivos. Após o almoço lemos um texto sobre Plano de Ensino (Marcos Masetto) em conjunto na sala de aula, posteriormente cada um recebeu um roteiro de Plano de Disciplina e durante uma hora fomos convidados a pensar sobre nossos planos.

Ao voltar algumas dúvidas estruturais e conceituais foram esclarecidas, destacando o fato de no grupo a questão do conteúdo ser muito forte. Entretanto, “o que nos envolve, nos apaixona é a área de conhecimento, e não a disciplina” (Marcos). Percebemos que o grupo está muito preso a realidade e que esta dicotomia com a utopia parece nos aprisionar. Fomos convidados a sonhar neste plano de Disciplina, possibilitando que criemos a Disciplina de nossos sonhos. Nos focalizar em como criar processos de aprendizagem que encantam e despertam o interesse pelo conteúdo.

O João comentou que guarda todos os seus planos de ensino desde o começo de sua prática docente (este conjunto pode ser denominado portifólio), e enfatizou que este material possibilita avaliar a história do que e como ensinou, além de servir de ferramento para avaliar professores em processos de seleção.

A aula foi finalizada com a avaliação da atividade do dia. A maioria dos alunos pareceu cansado e ficou calado. Destacaram que a atividade de montar o Plano de Ensino era muito interessante e diferente da atividade de Plano de Aula da disciplina PAE que destacava dicas para que o Plano passasse em comissões.

O Marcos deixou como tarefa a seguinte pergunta:

  • A educação é um meio ou fim?


publico/syllabvs/lcf5875/2010/resenha-aula-3.txt · Última modificação: 2015/08/10 20:48 (edição externa)