Ferramentas do usuário

Ferramentas do site


Barra lateral

CMQ
Centro de Métodos Quantitativos


USP ESALQ
Depto. de Ciências Florestais
ESALQ
UNIVERSIDADE de SÃO PAULO
Av. Pádua Dias, 11
Caixa Postal 09
13418-900 - Piracicaba - SP
BRASIL
publico:users:daniloalmeida

Danilo Roberti Alves de Almeida


Linha de Pesquisa

Mensuração, Biometria Florestal e Sensoriamento Remoto

Formação Acadêmica


Graduação
  • Engenharia Florestal (2007 - 2012) - Universidade Federal de Viçosa (UFV)
Mestrado
  • Mestre em Ciências de Florestas Tropicais. Especialização em Silvicultura e Manejo Florestal (2013 - 2015) – Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA)

Resumo

As florestas sazonalmente alagáveis por águas pretas e pobres em nutrientes (igapó) têm sofrido altos impactos por incêndios florestais. Durante os períodos secos estas florestas apresentam menores extremos de umidade relativa do ar e maiores extremos de temperatura comparada com a terra-firme, favorecendo a proliferação do fogo. Estas características microclimáticas podem ser controladas por atributos estruturais da floresta (abertura de dossel, altura da floresta e densidade de sub-bosque). O sub-bosque mais denso (com vegetação úmida) controla a proliferação do fogo. A altura da floresta e a abertura de dossel controlam a estabilidade do microclima no interior da floresta. O objetivo do estudo foi avaliar estes três atributos (densidade de sub-bosque, altura da floresta e abertura de dossel) como determinantes da susceptibilidade aos incêndios florestais e os impactos pós-fogo nessas florestas. Foi utilizado um sistema portátil de sensoriamento remoto ativo equipado com LiDAR RIEGL LD90-3100VHS-FLP para estimar os atributos. A coleta dos dados em campo é rápida e fácil, comparada com outros sistemas que também utilizam o LiDAR. Os atributos das florestas são extraídos de nuvens bidimensionais com primeiros e últimos retornos (2000Hz), onde pode ser estimado por exemplo a densidade de área foliar (LAD) ao longo do perfil vertical da floresta. O pulso emitido pelo equipamento, com comprimento de onda de 900nm (espectro infravermelho próximo) é fortemente refletido pelas folhas. O instrumento é montado em um gimbal mantido na orientação do zênite e é carregado à um metro acima do solo. Dez transectos de 250 m foram percorridos em velocidade constante para cada situação: (1) igapó não queimado, (2) igapó queimado, (3) terra-firme não queimada e (4) terra-firme queimada. O igapó apresentou maiores danos pós-fogo, com perda de 71% de sua vegetação, e também maior susceptibilidade à ocorrência de incêndios devido a abertura de dossel, duas vezes maior que a terra-firme (aumentando a iluminação solar), altura da floresta 15% mais baixa (maior vulnerabilidade de alteração do microclima) e 43% menos vegetação no sub-bosque (menos vegetação úmida que dificulta a proliferação do fogo). As florestas de igapó são fitofisionomias extremamente frágeis aos incêndios, sendo mais susceptíveis à ocorrência de incêndios, com maiores danos pós fogo e menor regeneração, que é dificuldade pelo período de alagamento.

  • Bolsista - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Doutorado
  • Doutorado em Recursos Florestais (2015 - atual) - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”/ Universidade de São Paulo (ESALQ/USP)
  • Tese - Diferenciação de fitofisionomias de florestas tropicais e estimativas de biodiversidade florística com dados LiDAR
  • Bolsista - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)

Contato


  • e-mail: daniloflorestas@gmail.com
  • telefone: (19) 2105-8676/ (19) 97133-9239
publico/users/daniloalmeida.txt · Última modificação: 2015/08/10 20:48 (edição externa)