Ferramentas do usuário

Ferramentas do site


Barra lateral

CMQ
Centro de Métodos Quantitativos


USP ESALQ
Depto. de Ciências Florestais
ESALQ
UNIVERSIDADE de SÃO PAULO
Av. Pádua Dias, 11
Caixa Postal 09
13418-900 - Piracicaba - SP
BRASIL
publico:users:era

Eduardo Roberto Alexandrino


Linha de Pesquisa

Ecologia Aplicada

Formação Acadêmica


Graduação
  • Licenciatura em Ciências Biológicas (2002 - 2006) - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”/ Universidade de São Paulo (ESALQ/USP)
  • Bacharelado em Ciências Biológicas (2002 - 2007) - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”/ Universidade de São Paulo (ESALQ/USP)
Mestrado
  • Mestre em Ciências - Programa de Ecologia Aplicada (2007 - 2010) - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”/ Universidade de São Paulo (ESALQ/USP)

Resumo

A urbanização é uma das ações antrópicas que mais crescem no mundo atual. Por este motivo pesquisas ecológicas são realizadas nas cidades com o objetivo de reconhecer seus impactos, e as aves são utilizadas como uma das ferramentas para diagnóstico ambiental. Assim, o presente estudo avaliou o método de levantamento de aves por ponto fixo, método amplamente utilizado em estudos com aves em diversos ambientes. Foram analisados três pontos que podem influenciar a amostragem de aves através deste método: 1) o habitat onde o levantamento é realizado, observando a composição dos elementos urbanos existentes na cidade; 2) o intervalo de tempo adotado em cada ponto fixo para a coleta de dados; 3) os fatores potencialmente prejudiciais a observação de aves, tais como o ruído sonoro urbano e a presença de conversas causadas por pessoas curiosas. Com a área de estudo estratificada a partir da quantidade de cobertura arbórea existente nos bairros abrangidos, 90 unidades amostrais foram selecionadas. Nestes, foram quantificados os elementos urbanos presentes, a riqueza, o número de contato de aves, os ruídos sonoros e a presença de conversas. Os resultados demonstraram que a reunião de um número maior de espécies e contatos pode ser favorecida pelas áreas de cobertura arbórea, enquanto áreas construídas e pisos impermeáveis podem prejudicar o número de espécies, sendo o número de contato prejudicado apenas pelas áreas de pisos impermeáveis. O número de espécies observadas não foi significativamente diferente após nove minutos de coleta de dados, entretanto o número de contatos continuou crescendo, demonstrando haver recontagens de indivíduos após este intervalo. A riqueza de espécies foi significativamente diferente entre os dados coletados no período seco e no período chuvoso. Conforme houve a maior presença do ruído sonoro urbano menor foi o número de espécies e contatos obtidos nos pontos. A incidência de conversas ocasionadas por pessoas curiosas foi baixa não prejudicando as coletas de dados. Os resultados encontrados sugerem que: o levantamento de aves no meio urbano através do ponto fixo deve considerar a composição do ambiente, já que a riqueza e o número de contato podem variar de acordo com a presença dos diferentes elementos; sejam adotados intervalos de tempo por ponto não superiores a nove minutos; quando possível diferentes épocas do ano devem ser utilizadas para as coletas de dados, visto que podem ser encontradas diferenças entre as estações; sejam escolhidos locais e momentos para as coletas de dados com baixo ruído sonoro. Por fim, o método de ponto fixo foi considerado eficaz para amostragem de aves urbanas, desde que tais cuidados sejam considerados.

  • Bolsista - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Doutorado
  • Doutorado em Ecologia Aplicada (2011 - 2015) - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”/ Universidade de São Paulo (ESALQ/USP)
  • Tese - Impactos da estrutura e dinâmica de uma paisagem antrópica na comunidade de aves
  • Bolsista - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP)

Contato


  • e-mail: eduardoalexandrino@hotmail.com
  • telefone: (19) 2105-8676/(19) 9685-0663
publico/users/era.txt · Última modificação: 2016/03/22 17:45 por andreamoreira