Ferramentas do usuário

Ferramentas do site


Barra lateral

CMQ
Centro de Métodos Quantitativos


USP ESALQ
Depto. de Ciências Florestais
ESALQ
UNIVERSIDADE de SÃO PAULO
Av. Pádua Dias, 11
Caixa Postal 09
13418-900 - Piracicaba - SP
BRASIL
publico:users:leadobbert

Léa Yamaguchi Dobbert


Linha de Pesquisa

Silvicultura urbana

Formação Acadêmica


Graduação
  • Arquitetura e Urbanismo (1983 - 1987) - Pontifícia Universidade Católica de Campinas(PUCCAMP)
Mestrado
  • Mestre em Ciências - Programa de Recursos Florestais. Opção em: Conservação em Ecossistemas Florestais (2008 - 2011) - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”/ Universidade de São Paulo (ESALQ/USP)

Resumo

Nas primeiras décadas do século XX, profissionais da área da saúde investiram em ambientes funcionais de trabalho, dando ênfase à implantação de equipamentos de alta tecnologia, sem se preocuparem com o grau de conforto proporcionado pelo ambiente físico. Trabalhos científicos nesta área classificaram esses espaços como estressantes e inadequados em razão de não observarem as carências emocionais e psicológicas dos usuários. O presente estudo avaliou a melhoria do conforto humano na Irmandade Santa Casa de Valinhos/SP-Brasil, proporcionado pela requalificação de áreas verdes existentes entre as alas de internação. Para avaliar o grau de conforto térmico proporcionado por essas áreas verdes requalificadas, utilizaram-se dois modelos preditivos de conforto: o Predicted Mean Vote - PMV (FANGER, 1970) e o Predicted Percentage of Disatisfied - PPD baseado na ISO 7730 (1994) para ambientes internos. A fim de se compararem os resultados obtidos com base nos modelos preditivos à percepção subjetiva do conforto térmico dos entrevistados, foram aplicados questionários contendo questões abertas e fechadas que possibilitaram uma análise dos benefícios terapêuticos proporcionados pelas áreas verdes requalificadas. Outro instrumento utilizado, o Inventário de Sintomas de Stress de LIPP, avaliou e comparou o nível de stress entre dois grupos de funcionários (com contato e sem contato com áreas verdes). Os resultados deste estudo demonstram que os espaços verdes requalificados, apesar de ainda não interferirem no grau de conforto térmico dos ambientes a eles adjacentes, cumprem um papel terapêutico na medida em que promovem maior bem-estar a todos que deles se usufruem.

  • Bolsista - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Doutorado
  • Doutorado em Recursos Florestais (2011 - 2015) - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”/ Universidade de São Paulo (ESALQ/USP)
  • Tese - Arborização na cidade de Campinas- percepção e conforto
  • Bolsista - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)

Contato


  • e-mail: leadobbert@gmail.com
  • telefone: (19) 99759-7214/ (19) 3327-5412
publico/users/leadobbert.txt · Última modificação: 2015/08/10 20:48 (edição externa)