Ferramentas do usuário

Ferramentas do site


Barra lateral

CMQ
Centro de Métodos Quantitativos


USP ESALQ
Depto. de Ciências Florestais
ESALQ
UNIVERSIDADE de SÃO PAULO
Av. Pádua Dias, 11
Caixa Postal 09
13418-900 - Piracicaba - SP
BRASIL
publico:users:rafaelanaves

Rafaela Pereira Naves


Linha de Pesquisa

Mensuração e Biometria Florestal

Formação Acadêmica


Graduação
  • Ciências Biológicas (2005-2010) - Universidade Federal de Lavras (UFLA)
Mestrado
  • Mestre em Ciências - Programa de Recursos Florestais. Opção em: Conservação dos Recursos Florestais (2010 - 2013) - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”/ Universidade de São Paulo (ESALQ/USP)

Resumo

A crescente degradação de ecossistemas tornam necessários inúmeros esforços para recuperá-los. A ecologia da restauração é uma ciência que vem crescendo, buscando suporte e apoiando as bases da ecologia teórica. O papel das áreas restauradas na manutenção da biodiversidade é ainda incerto, mas há consenso que estas devem restabelecer os atributos ecológicos. A escolha de bons indicadores ecológicos é crucial para avaliar a evolução dessas áreas. A análise da vegetação é um bom indicador, por ser possível utilizar métodos simples de execução e apresentar respostas rápidas às condições (bióticas e abióticas), fornecendo, por exemplo, informação dos agentes dispersores na área e das características das espécies que compõe a comunidade. Através dessas informações é possível inferir se a área é visitada por animais e como ocorre o processo sucessional. A presente pesquisa consistiu na análise da vegetação de florestas em processo de restauração com idades diferentes. Foram escolhidos plantios com oito e 12 anos e um remanescente florestal. Em cada área foram alocadas 30 parcelas de 10 x 10 m, todos os indivíduos arbustivo-arbóreos (estrato arbóreo) com diâmetro a altura do peito maior ou igual a 10 cm foram amostrados, identificados e tiveram sua altura estimada. O estrato regenerante foi registrado por parcelas de 2 x 10 m alocadas no interior das parcelas (10 x 10m) onde foram amostrados e identificados indivíduos com altura maior ou igual a 50 cm e diâmetro a altura do peito menor que 10 cm. As espécies encontradas foram categorizadas em grupos funcionais (síndromes de dispersão e classes de sucessão) e origem (nativa e exótica). Para o estrato arbóreo e para o regenerante, o ecossistema de referência apresentou maior densidade, riqueza e diversidade. Diferente do ecossistema de referência, os plantios apresentaram muitos indivíduos de espécies de origem exótica, e não apresentaram muitos indivíduos das classes sucessionais clímax. Diante dos resultados talvez sejam necessárias ações de manejo adaptativo, com retirada das espécies que tem potencial invasor e enriquecimento funcional para que a evolução das áreas não seja comprometida. A avaliação da vegetação mostrou-se bom indicativo no estudo da evolução das áreas em processo de restauração.

  • Orientador - Prof. Dr. Sergius Gandolfi
  • Bolsista - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)
Doutorado
  • Doutorado em Recursos Florestais (2014 - atual) - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”/ Universidade de São Paulo (ESALQ/USP)
  • Tese - Modelos de distribuição de abundância de espécies para avaliação do Manejo Florestal na Amazônia
  • Bolsista - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)

Contato


  • e-mail: rafaelapnaves@gmail.com
  • telefone: (19) 2105-8676/(19) 98128-6184
publico/users/rafaelanaves.txt · Última modificação: 2015/08/10 20:48 (edição externa)