Ferramentas do usuário

Ferramentas do site


Barra lateral

CMQ
Centro de Métodos Quantitativos


USP ESALQ
Depto. de Ciências Florestais
ESALQ
UNIVERSIDADE de SÃO PAULO
Av. Pádua Dias, 11
Caixa Postal 09
13418-900 - Piracicaba - SP
BRASIL
publico:syllabvs:lcf5865:lcf5865
 CMQ: Centro de Métodos Quantitativos Centro de Métodos Quantitativos
Departamento de Ciências Florestais
Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO


LCF-5865 - Silvicultura Urbana - TURMA PG 2010

PROGRAMA 2010

Objetivos Aprofundar os conhecimentos sobre como avaliar a importância das árvores nas cidades observando-se o relacionamento com as estruturas construídas, espaços, necessidades de manejo florestal em quintais, ruas, praças, parques, áreas de preservação e as oportunidades para o estabelecimento de um sistema florestal urbano.

Justificativa Grande parte dos alunos ingressantes no Curso de P.G. em Ciências Florestais pretendem desenvolver pesquisas de campo relacionadas com aspectos ecológicos, silviculturais ou de conservação e manejo de áreas florestadas. É necessário, portanto, que os conceitos fundamentais relativos à estrutura e ao funcionamento do ecossistema florestal urbano sejam estudados em profundidade para que os pós-graduandos possam obter novas formas de análise experimental relativas a convivência das árvores nas cidades.

Conteúdo

1 - O espaço florestal urbano, história e conceitos. Valores e funções das árvores no ecossistema urbano,

2 - Importância da variabilidade e diversidade das espécies florestais para uso nas cidades. Fatores que afetam o ciclo dos nutrientes na cidade. Fatores causadores de “stress” em árvores urbanas,

3 - Critérios para seleção de espécies para uso nas cidades. Critérios e estudos sobre a interferência humana no crescimento das árvores. Avaliação de danos e injurias em árvores urbanas. Conceitos e procedimentos relacionados com a arquitetura de copa e forma de crescimento,

4 - Pesquisas de campo para avaliação da floresta urbana. Inventário quali-quantitativo da arborização de vias públicas. Cadastramento informatizado. Pesquisas de opinião pública.

5 - Sensoriamento remoto, fontes de dados, custo e sistemas de informação geográfica. Estudos sobre indicadores para avaliar a estrutura da floresta urbana usando imagens verticais,

6 - Seleção de matrizes na floresta urbana e implicações no manejo. Índice base de seleção e tamanho efetivo populacional. Introdução de sementes de outras localidades,

7 - Estudos para o planejamento do sistema florestal urbano em unidades de manejo para diferentes situações e estruturas.

Bibliografia

BRADLEY, G.A. Urban Forest Landscapes: integrating multidisciplinary perspectives In: BRADLEY, G.A., (ed) Urban Forest Landscapes: integrating multidisciplinary perspectives. Seattle and London, University of Washington Press, Seattle, 1995. p. 03-11.

COUTO, H.T.Z. Métodos de amostragem para avaliação de árvores de ruas. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ARBORIZAÇÃO URBANA, 2, 1994, São Luis. Anais… São Luis/MA: SBAU, 1994. p.169-179.

GUZZO, P. Estudo dos Espaços livres de uso público da cidade de Ribeirão Preto/SP, com detalhamento da cobertura vegetal e áreas verdes públicas de dois setores urbanos. Rio Claro, 1999. 125p. Dissertação (Mestrado), Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista, Universidade Estadual Paulista.

HILDEBRAND, E.; GRAÇA, L.R.; MILANO, M.S. Distância de deslocamento dos visitantes dos parques urbanos em Curitiba-PR. Floresta e Ambiente, v.8, n.1, p.76-83, 2001. MACEDO, S.S. Espaços livres. Paisagem e Ambiente ensaios, São Paulo. n. 7, p. 15 -56, 1995.

MILANO, M.S. & DALCIN, E.C. Arborização de vias públicas. Rio de Janeiro, RJ: Light, 2000. 226p.

MILLER, R.W. Urban Forestry: Planning and Managing Urban Greenspaces. 2nd ed. New Jersey, Prentice Hall, 1997. 502p.

MOREIRA, M.A. Fundamentos do Sensoriamento Remoto e Metodologias de Aplicação. 2ª ed. Viçosa, UFV, 2003. 307p.

SILVA FILHO, D.F. da. Cadastramento informatizado, sistematização e análise da arborização das vias públicas da área urbana do Município de Jaboticabal, SP. Jaboticabal, 2002. 81p. Dissertação (Mestrado), Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista.

SILVA FILHO, D.F. da. Aplicação de Videografia Aérea Multiespectral na Avaliação de Floresta Urbana. Jaboticabal, 2004. 88p. Tese (Doutorado), Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista.

THOMPSON, R., PILLSBURY, N. & HANNA, R. The Elements of Sustainability in Urban Forestry. Urban Forest Ecosystems Institute, California Polytechnic State University, San Luis Obispo, 1994, 63 p. URBAN FORESTRY DATABASE LIBRARY. (Internet:“http://www.urban-forestry.com/http://www.urban-forestry.com/, 10/12/2002).

* Cronograma da Disciplina

MATERIAL COM SLIDES DIDÁTICOS

MATERIAIS PARA APRESENTAÇÕES

Imagens multiespectrais de Piracicaba 2008

Imagens multiespectrais de Piracicaba 2009

O potencial humano

 imagem “Desde a mais remota antiguidade, a imagem da árvore foi usada como símbolo do crescimento interior do ser humano. Quem se interessa por arte, mitologia ou história das religiões a encontrará em todas as culturas. Há entre nós e as árvores uma secreta afinidade. Somos parecidos, temos a mesma estrutura.A árvore que um dia crescerá já está contida em estado de dormência na semente. Nós também carregamos em estado germinal, no fundo do inconsciente, aquilo que podemos vir a ser. Elas nos refletem como espelhos, não a aparência exterior, mas o lado desconhecido de nossa alma. O que estarão refletindo as árvores mutiladas que nos rodeiam ? A mutilação interior que carregamos e que mal somos capazes de perceber. Vivemos em desacordo com a natureza em nós, com o lado indomado do nosso ser e de nossa mente. Temos medo de crescer e atingir uma forma plena e única e por isso somos um povo subdesenvolvido, sempre abaixo do nosso potencial. Esse medo, que não se costuma reconhecer e do qual não se fala, aparece claramente em nossa ação sobre as árvores. Abortamos o crescimento que se manifesta nelas, que por simbolizar o nosso não realizado, nos provoca ira. Quem tiver olhos para ver, que Veja. As árvores sofridas que nos rodeiam denunciam, Sem disfarce a insensata brutalidade e a pobreza interior de homens que fogem de sua alma”. Roberto Gambini , Prefácio do Livro - Arborização de Vias Públicas de Miguel Milano e Eduardo Dalcin.


publico/syllabvs/lcf5865/lcf5865.txt · Última modificação: 2015/08/10 20:48 (edição externa)